• Pesquisar
  • Esqueceu sua senha?

Coral revela talento dos delegados aposentados

Grupo formado por 28 coralistas se reúne semanalmente na sede da ADPF

Foto: Comunicação/ADPF

Quando as pessoas param de trabalhar, começam a se perguntar quais ações podem desenvolver para se manterem ativas. Para um grupo de delegados aposentados da ADPF a resposta é cantar.

Todas as quartas-feiras, doces acordes agitam as noites da Associação, em Brasília. É o coral dos aposentados que se reúne para mais um ensaio semanal.

O animado grupo de delegados federais reúne também familiares e amigos. Ao todo, são 28 componentes divididos em soprano, meio-soprano, contralto, tenor, barítono e baixo.

A maioria dos participantes nem imaginava que um dia pudesse cantar e encantar diversos públicos. Foi o que aconteceu em Mendonza, na Argentina, durante uma apresentação internacional que emocionou os coralistas e o público presente. “Muita gente se emocionou e nos aplaudiram de pé”, conta o delegado Bolivar Steinmetz, um dos fundadores do coral. O que, segundo ele, é comum nas apresentações. “A gente sempre percebe que as pessoas ficam emocionadas e algumas até choram com a nossa música.”

É o coral dos aposentados que se reúne para mais um ensaio semanal. O animado grupo de delegados federais reúne também familiares e amigos. Ao todo, são 28 componentes divididos em soprano, meio-soprano, contralto, tenor, barítono e baixo.

A maioria dos participantes nem imaginava que um dia pudesse cantar e encantar diversos públicos. Foi o que aconteceu em Mendonza, na Argentina, durante uma apresentação internacional que emocionou os coralistas e o público presente.

“Muita gente se emocionou e nos aplaudiram de pé”, conta o delegado Bolivar Steinmetz, um dos fundadores do coral. O que, segundo ele, é comum nas apresentações. “A gente sempre percebe que as pessoas ficam emocionadas e algumas até choram com a nossa música.”

Entre os componentes, cada um tem sua extensão de voz, personalidade e estilo de vida, fatores que se encaixam para que os coralistas formem uma grande família musical e fraternal. “Estamos sempre trocando mensagens, comemorando os aniversários e apoiando uns aos outros.

A música nos propiciou muito mais que integração. Fez de nós uma família”, afirma a delegada Angélica Resende, uma das diretoras e contralto do coral.

A delegada Marta Ponce de Leon destaca a importância de manter ativo o grupo de aposentados. Há cinco anos, ela participa do coral e acredita que é um ótimo meio de fazer amizades. “Me anima muito. Eu provavelmente estaria em casa nesse horário”, comenta.

Para a delegada Marta Ponce, além de ser uma atividade que a tira da rotina, um dos pontos altos do coral é o trabalho de elevação da autoestima dos integrantes e também de quem assiste as apresentações. “Nos apresentamos em locais onde temos a oportunidade de levar muita alegria, como no Lar dos Velhinhos São Francisco de Assis e na ala infantil do Hospital de Base.”

As visitas às instituições sociais também são um diferencial para o delegado Josué Guedes, que só começou a frequentar o coral depois da insistência da esposa, Maria José Guedes.

Hoje em dia, segundo o delegado, o coral é um espaço de entretenimento e de interação social muito significativo. Porém, um dos aspectos mais importantes, é o atendimento a instituições assistenciais, que de acordo com ele, “vivem praticamente abandonadas, como por exemplo, o Lar dos Velhinhos e os orfanatos.”

“Eles ficam muito felizes quando vamos lá cantar, pois se sentem sozinhos e, quando chega um grupo de pessoas que dá atenção, é muito bom”, explica Josué, que faz questão de ressaltar o que recebe de volta com essa ação. “Há retorno para nós, que também nos sentimos felizes”, conclui.

FUNDAÇÃO

O coral foi fundado em 2009, na gestão do ex-presidente Sandro Avelar, por uma iniciativa do delegado federal Bolivar Steinmetz e da delegada Iracema Cirino de Sá Ribeiro.

Desde então, o grupo tem feito inúmeras apresentações em cantatas de Natal, missas, hospitais e nas solenidades de aniversário do Departamento de Polícia Federal. Em 2010, as vozes dos dele – gados federais chegaram em Mendonza, na Argentina, para participar do Cantapueblo – un canto a la Libertad. Evento que reuniu corais de diversos países do mundo, para apresentações em teatros, auditórios e igrejas.

Além de uma emocionante apresentação na Praça da Independência. Atualmente, o coral é coordenado pelo delegado Bolivar Steinmetz e as delegadas Marta Pereira Ponce de Leon, Maria da Graça Fredenhagem de Oliveira Nascimento e Maria Angélica Ribeiro de Resende. E conta com a participação da maestrina Cláudia da Silva Costa e da pianista Ilke Takada, ambas da Escola de Música de Brasília.

Grupo ensaiando ao som dos acordes da pianista Ilke Takada
Deixe sua resposta

Instagram has returned invalid data.
Escrito por Luana

Siga-nos

Proactively formulate resource-leveling imperatives through alternative process improvements.