• Pesquisar
  • Esqueceu sua senha?

De dentro da polícia, delegadas se mobilizam em defesa dos direitos femininos

Movimento está em fase de aperfeiçoamento das medidas em favor das mulheres que atuam nas polícias judiciárias. Objetivo é alcançar outras forças de segurança.

O Brasil ocupa a quinta posição no ranking mundial de feminicídios, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, o número de denúncias de crimes na internet contra a mulher cresceu 1.640%, entre 2017 e 2018, passando de 961 casos para 16.717 denúncias, segundo a ONG SaferNet.

São números poderosos e, por isso mesmo, lideranças femininas do País decidiram se levantar para ocupar todos os espaços disponíveis e dar voz aos direitos das mulheres. E esse grito veio justamente de onde elas mais necessitam de proteção: o Movimento Mulheres na Segurança Pública está sendo gestado no estado de São Paulo.

A ideia é esclarecer e divulgar as medidas para a efetiva proteção das mulheres vítimas de violência doméstica, como também reforçar a participação feminina nas forças policiais. O movimento quer lutar pelo reconhecimento dos direitos das grávidas, lactantes e mães de crianças que já atuam na área, sobretudo no que diz respeito aos plantões policiais, sobreavisos e missões fora da base.

O movimento também buscará contribuir no trabalho que as polícias civis vêm implementando nos estados e no Distrito Federal para melhorar e ampliar o atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica.

“Hoje ocorrem eventos como o Congresso Brasileiro sobre Mulheres na Polícia, o que antes sequer era cogitado. As redes sociais ampliaram as possibilidades de comunicação e divulgação dos trabalhos das delegadas e demais policiais”, explica a diretora regional da ADPF-SP, Tania Prado, uma das líderes do movimento.

Esses espaços de debates vêm tomando corpo em várias regiões do País e, neles, o movimento vai aproveitar para, futuramente, identificar e conectar as mulheres de outras forças de segurança. Por enquanto, o trabalho está em fase de implantação e aperfeiçoamento das medidas em favor das mulheres que atuam nas polícias judiciárias de São Paulo.

Entre as medidas está a criação da identidade visual; abas nas páginas das entidades que estão à frente do movimento para adesão de quem queira se cadastrar e acompanhar os eventos; e criação de newsletter. Para levar adiante as ideias defendidas, o movimento buscará interagir com aqueles que dirigem as instituições policiais, secretarias de segurança pública e governantes para o convencimento das pautas.

“É preciso investir no aperfeiçoamento das instituições policiais e na formação dos que atuam nessa área, além de fomentar a participação daqueles que estão diretamente atendendo as vítimas”, defende Tania Prado.

Lançamento

O Movimento Mulheres na Segurança Pública foi lançado em novembro de 2019, durante a 2ª edição do Fórum Nacional de Inteligência Aplicada para o Combate à Criminalidade (IACC), ocorrido em São Paulo. Encabeçam a ação, a presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (SINDPESP), Raquel Kobashi Gallinati; a titular da 2° Delegacia de Defesa da Mulher e diretora de comunicação social da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (ADPESP), Jacqueline Valadares; a delegada Marina Acursio, da diretoria do SINDPESP; e a delegada federal Tania Prado, que também preside o Sindicato dos Delegados de Polícia Federal do Estado de São Paulo (SINDPF-SP). As quatro entidades são as realizadores do IACC e idealizadoras do movimento de mulheres.

Para Raquel Kobashi Gallinati, a mobilização não será só para as delegadas de polícia, mas para todas as mulheres que, de certa forma, admiram e querem contribuir para a segurança pública. “A profissão não escolhe gênero e, sim, a aptidão. E, se temos aptidão, temos que quebrar essas barreiras e estigmas e adentrar essas instituições”, reforça.

Jacqueline Valadares menciona a importância da iniciativa para ajudar mulheres que diariamente são vítimas de violência física ou psicológica. “A ideia não é só incentivar a chegada de novas mulheres na segurança pública, mas também proporcionar um melhor atendimento às vítimas de violência em nossa sociedade”, afirma a delegada.

Para a delegada Marina Acursio, a ideia é conseguir acolher todas as mulheres que têm a intenção de entrar na carreira policial. E, para as que são policiais, reforçar a consciência de seus direitos. “Quando começa a aumentar a quantidade de mulheres dentro das carreiras policiais, se cria essa empatia com as vítimas”, avalia.

Deixe sua resposta

Escrito por maiara

Siga-nos

Proactively formulate resource-leveling imperatives through alternative process improvements.