• Pesquisar
  • Esqueceu sua senha?

Simpósio Nacional de Combate à Corrupção reforça luta pela autonomia da PF

Por decisão da diretoria da ADPF, o evento será realizado, a partir de 2020, em estados diferentes

O Simpósio Nacional de Combate à Corrupção se despediu de Salvador (BA) com uma palavra de ordem: autonomia. Durante os dois dias do evento, a independência orçamentária, financeira e administrativa da Polícia Federal foi o principal assunto. 

“Os últimos acontecimentos mostram que a PF necessita cada dia mais de autonomia para que tenha liberdade, não sofra nenhum tipo de interferência e consiga fazer o trabalho técnico e republicano”, disse o presidente da ADPF, Edvandir Felix de Paiva, durante o evento.

A afirmação do presidente da associação foi feita em defesa do órgão, após, as vésperas do evento, o presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciar mudanças na direção da PF no Rio de Janeiro e cogitar a troca do diretor-geral, Maurício Valeixo. 

Carta de Salvador

Os delegados responderam aos acontecimentos com a “Carta de Salvador”. Em um dos momentos mais marcantes do evento, o presidente da ADPF, Edvandir Paiva, subiu ao palco, acompanhado de 150 delegados federais, para ler o documento.

“A Polícia Federal não deve ficar sujeita a declarações polêmicas em meio a demonstrações de força que possam suscitar instabilidades em um órgão de imensa relevância, cujos integrantes são técnicos, sérios, responsáveis, e conhecedores de sua missão institucional”, diz um trecho da Carta.

Em torno de 150 delegados federais subiram ao palco do evento para ler a “Carta de Salvador”, um manifesto público sobre a necessidade de autonomia da PF

Segundo o texto, em outros governos, por diversas ocasiões, a instituição sofreu pressões e tentativas de intervenção e, por isso, diante do que parece ser mais uma delas, se faz necessário e urgente que a Polícia Federal conquiste garantias constitucionais e legais para se tornar, de fato e de direito, uma polícia de Estado.

Novos ares

O evento, que é o maior da ADPF e acontecia todos os anos na capital baiana, vai alçar novos voos e pousar em outros estados. Após ser realizado por quatro anos consecutivos em Salvador, o simpósio passará a ser itinerante. Por decisão da diretoria da ADPF, a cada ano, será realizado em uma unidade da federação diferente.

O anfitrião do simpósio, delegado Rony Silva, diretor da ADPF-BA, se despediu do evento que ajudou a gestar com a sensação de dever cumprido. “Foram quatro anos. Ele já está amadurecido e nós estamos entregando-o para o restante do Brasil”, disse.

Diretor regional da ADPF-BA, Rony Silva, ficou à frente da organização nas quatro edições do Simpósio

Para o delegado, o momento é de comemorar todos os resultados alcançados. “Ao longo desses anos, transferimos conhecimento, valorizamos a Polícia Federal e a própria ADPF. Conseguimos trazer ao evento, grandes nomes do Judiciário como o ministro Sérgio Moro, juiz à época, o ministro Ayres Brito e o ministro Luiz Barroso. E todos sempre valorizaram nossa atuação pela classe”, ressaltou.  

O presidente da ADPF, Edvandir Paiva, também enalteceu os resultados dos últimos anos. Segundo ele, depois de quatro edições, o simpósio que, somando, já reuniu milhares de pessoas para discutir o combate à corrupção, despediu-se da capital baiana deixando uma  mensagem importante: “A de que a Polícia Federal vai continuar a fazer o seu trabalho acima de qualquer conjuntura ou contingência”, afirmou.

Deixe sua resposta

Escrito por maiara

Siga-nos

Proactively formulate resource-leveling imperatives through alternative process improvements.